Não é preciso ter olhos abertos para ver o sol, nem é preciso ter ouvidos afiados para ouvir o trovão. Para ser vitorioso você precisa ver o que não está visível.

quarta-feira, 20 de setembro de 2017

POLÍCIA DA TANZÂNIA REALIZA PRISÃO EM MASSA DE PESSOAS ACUSADAS DE SEREM HOMOSSEXUAIS


Vinte pessoas foram presas no último sábado no arquipélago de Zanzibar, região semi-autônoma sob controle do governo da Tanzânia. Os presos são acusados de serem homossexuais, o que é crime no país. A informação é da polícia local.

Ao todo, 12 mulheres e oito homens foram presos. Eles estavam em um hotel, onde participavam de um treinamento sobre a prevenção ao HIV/Aids.

Atuando em uma dica, a polícia da Região Oeste Urbana a Policia invadiu um hotel na cidade de Stone, onde os suspeitos de homossexualidade estavam realizando a reunião, organizada pela Bridge Initiative Organization.

"A interrogação está em andamento e provavelmente será cobrada no tribunal na segunda-feira passada", disse o comissário da polícia regional Hassan Nassir Al-Regional (RPC) ontem.

Zanzibar lançou campanhas viciosas contra homens e mulheres homossexuais, proibindo as relações entre pessoas do mesmo sexo e impondo longas condições de prisão para os infratores.

A homossexualidade foi ilegal no Arquipélago do Oceano Índico em abril de 2004.

A lei ultrapassou o objetivo de lésbicas e gays, pois criminalizava todas as formas de uniões, convivências e casamentos homossexuais. De acordo com a lei, os delinquentes enfrentam prisões de até sete anos ou uma multa de 700.000 / - para lésbicas, enquanto os agressores masculinos enfrentam prazos até 25 anos.

Enquanto isso, as pessoas descobriram que criar um ambiente favorável para as infrações enfrentam uma pena de prisão de cinco anos. Os adeptos do mesmo sexo se opõem à lei, mas os funcionários do governo e os clérigos insistem que a lei procura conter a crescente onda de homossexualidade, que não poupou as crianças.

Nasir, comissário adjunto da polícia (ACP), não pode dar detalhes do seminário, mas a polícia considerou que se destinava a promover as relações homossexuais nas ilhas. Ele também se recusou a nomear os suspeitos.

Preocupado com a crescente cultura do homossexualismo em toda a ilha de Zanzibar, pais e líderes religiosos nos últimos dias pressionaram as autoridades para que atuassem no vício.

A homossexualidade é criminalizada em pelo menos 76 países, e pelo menos 33 deles estão na África, de acordo com a campanha da UN Free & Equal para direitos lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros.

Com informações do Daily News de Dar Es Salaam/via o paralelo


←  Anterior Proxima  → Inicio

OLHA A HORA

VOCÊ ONLINE

FAN PAGE, CURTA

SIGA-NOS NO TWITTER

CLIC E VEJA OS FATOS HISTÓRICOS POR DATA

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

VISITAS PELO MUNDO

AS SETE MAIS LIDAS

CADASTRA SEU E-MAIL